quinta-feira, 1 de novembro de 2012

OS HOMENS NÃO SABEM QUASE NADA SOBRE OS AMIGOS


Eu não via Gabriel há pouco mais de um ano, e aí resolvemos passar um dia inteiro juntos jogando futebol no Playstation 3 que ele tinha comprado. Quando cheguei em casa à noite, confesso que não sei por qual motivo, minha mãe estava ansiosa para saber como tinha sido a nossa confraternização:


Minha mãe: “E então, como foi o seu dia?”
Eu: “Foi bem legal”.
Minha mãe: “Como vai o Gabriel?”
Eu: “Vai bem.”
Minha mãe: “E como vai Clara, a mãe dele, depois de uma semana no hospital?”
Eu: “Não sei, ele não disse nada.”
Minha mãe: “Ele não disse nada ou você não perguntou?”
Eu: “Confesso que não perguntei, mas se ela já não estivesse bem, com certeza ele teria me dito alguma coisa.”
Minha mãe: “E como vai Helena, a irmã dele recém-casada?”
Eu: “Ele também não falou nada sobre ela.”
Minha mãe: “A namorada dele ainda é a mesma?”
Eu: “Juro que não faço ideia.”

Eu lembrava bem quantas partidas tinha vencido e quantas partidas tinha perdido, mas não sabia praticamente nada sobre a família de Gabriel. Estava a par da briga de Gabriel com o segurança de uma boate em uma dessas festas, da última viagem que ele tinha feito a Palma de Mallorca na Espanha e sabia a marca da moto que ele estava pensando em comprar. Mas não sabia que ele não estava mais estudando agronomia, nem que Dora, a outra irmã dele, tinha se divorciado. Tinha, porém, um repertório novinho de ótimas piadas.

É bom lembrar que só sei de tudo isso, depois de minha mãe muito insistir para que eu ligasse para ele e lhe fizesse um interrogatório, ela dizia que assim Gabriel não pensaria que não me importo com ele. A verdade é que me importo, só não perguntei.

Quando saímos pra nos reunir com os amigos, as nossas mães, namoradas, esposas se surpreendem em voltarmos para casa sem saber praticamente nada sobre a vida pessoal dos companheiros. Isto ocorre porque sair com os amigos é apenas uma forma de descontrairmos. A gente pode passar um dia inteiro jogando vídeo game, assistindo as diversas partidas de futebol, pescando, sem falar nada de relevante. Quando conversamos, é sobre fatos, resultados, soluções ou respostas ao que for perguntado. Raramente falamos sobre pessoas e seus sentimentos. A maioria das mentes masculinas é quase integralmente voltada para o “finalmente”, geralmente não nos ligamos muito nos sentimentos.

Confesso que não entendo por que  as mulheres questionam tanto em saber sobre todos os detalhes da vida dos amigos e conhecidos dos homens. Imagino que, se os meus amigos querem que eu saiba de alguma coisa, obviamente irão me dizer. A verdade é que os homens não esperam que os companheiros falem muito ou insistam em conversar sobre qualquer coisa relacionada à vida particular.

A única circunstância em que um homem conversa com outro sobre assuntos pessoais é quando tem um problema em que precise desesperadamente de ajuda. Aí, como último recurso, recorre-se a um amigo em que confie. Não sendo assim, aliviamos o estresse liberando a mente para pensar em qualquer outra coisa, não há necessidade de trocar ideias, de conversar se não se tem vontade.

Portanto, se você deseja qualquer informação, ainda que básica, sobre a vida profissional, a saúde, os relacionamentos amorosos ou por onde anda alguns membros da família ou de pessoas do seu círculo social, não esperem respostas concretas vindas dos homens. Pergunte às mulheres. 

Um comentário:

Bruna Laranjeira disse...

Pois é, Vinicius, os homens tem uma visão simplificada do que é ter e conviver com um grande amigo, que não deixa de ser valorosa. É como a amizade de uma criança: pura, sem maldade e com o intuito de simplesmente de se fazer presente e de criarr bons momentos, que é o que realmente importa.