quinta-feira, 11 de outubro de 2012

CVV - A LINHA DA VIDA


Levante a mão quem nunca pensou em desistir da vida para se livrar de uma sensação dolorosa ou de um momento de impotência extrema. É muito comum ao ser humano experimentar, ainda que uma única vez, um momento de profunda angústia e de enorme falta de esperança. Porém, aos poucos, os sentimentos e as idéias se reorganizam, a rotina volta a ter sentido e a confiança é restituída à forma exata. Você descobre uma saída, procura apoio em quem lhe oferece abrigo, encontra compreensão. O desejo auto-destrutivo, a vontade de resolver todos os problemas do cotidiano desistindo da vida, se dissolve.   

Muitos, no entanto, não conseguem encontrar uma alternativa, uma resposta para os desafios que lhe assolam. O suicídio, para esses, parece ser a solução mais viável, abdicando de uma vida aparentemente sem sentido, de um tempo presente pesado demais ou um futuro pouco promissor. E eles se matam.           

E pra ajudar essas pessoas, o CVV, Centro de Valorização da Vida, uma das organizações não-governamentais mais antigas do Brasil, foi criado em 1962 por um grupo de jovens voluntários de São Paulo. O grupo percebeu a necessidade de ajudar pessoas em momentos de crise emocional.

Eles “abriram” uma linha telefônica para isso, garantindo o anonimato integral e total sigilo sobre tudo que era conversado. Sua atuação baseia-se essencialmente no trabalho voluntário de milhares de pessoas distribuídas por todas as regiões do Brasil.

Com a visão de uma sociedade benevolente, fraterna e solidária, a missão fundamental do atendimento é a valorização da vida atrelada à plenitude, confiança na tendência construtiva da vida humana, contribuindo para a prevenção do desejo de suicídio.

A principal iniciativa é o programa de apoio emocional realizado principalmente pelo telefone, mas também por chat, e-mail, voip, correspondência ou até mesmo pessoalmente, nos postos do CVV espalhados por todo o país. Trata-se de um serviço sem custos, oferecido por voluntários que se colocam disponíveis diuturnamente a quem precisa muitas vezes apenas de uma conversa amistosa.

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, tirando a vida de uma pessoa por hora no Brasil, mesmo período no qual outras três tentaram se matar sem sucesso. Já a Organização Mundial de Saúde (OMS), informa que cerca de 3.000 pessoas por dia cometem suicídio no mundo, o que significa que a cada 30 segundos uma pessoa se mata.                                 

No topo da lista dos motivos que fazem as pessoas tirarem a própria vida, é a tentativa de se livrarem de uma situação de extrema aflição, para a qual acham que não há solução, resultado principalmente do isolamento, por isso o CVV assumiu como tarefa desde a sua criação, além do estudo do suicídio, o estimulo a conversa, ao diálogo, a troca de informações e sentimentos entre as pessoas, essa é uma das formas eficazes de se promover a prevenção desse mal.

Não é de hoje que conviver é uma necessidade do ser humano, foi a partir da convivência que desenvolveu-se a escrita e as sociedades. Com o passar do tempo e o desenvolvimento tecnológico, sofisticou-se ainda mais a convivência, hoje nas redes sociais vemos pessoas com milhares de amigos, inúmeros fãs, depoimentos, seguidores, tudo numa grande curtição e de repente percebemos que essa convivência pode não ser real, afinal estamos falando com aparelhos e cada vez mais estamos sozinhos num mundo de ilusões e ansiedade.
              
O CVV existe para resgatar o caminho da convivência e a palavra que resume isso é conversar, ou seja, saber ouvir e poder falar. Se você está cansado de esperar o e-mail, depoimento, seguidores, talvez seja porque você só queira conversar, então procure-os, porque eles estão prontos para falar com você, onde e quando você quiser através do 141, número de contato, o CVV será um ouvido amigo pra te escutar. 

2 comentários:

Bruna Laranjeira disse...

As pessoas precisam de uma sociedade menos materialista e mais humanitária. Dessa forma, boa parte dos suicídios já poderão ser evitados.

Bruna Laranjeira disse...

Boa divulgação Vinicius! Precisamos fomentar e parabenizar boas ações como essas do CVV.