quarta-feira, 6 de março de 2013

UMA PLAYLIST PARA UM CHORÃO



Ontem (5) o mundo todo foi dormir de luto após a morte de Hugo Chavez, presidente venezuelano. E hoje (6), infelizmente, o Brasil acordou em luto, por causa da morte de Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr.

Obviamente, o cantor possuía bem menos notoriedade que o presidente. Alguns internautas, inclusive, criticaram a atitude de seus amigos que compartilhavam homenagens ao roqueiro, e pareciam não se lembrar da morte do político.

A morte de Chorão ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter  e durante todo o dia diversos usuários do Facebook compartilharam trechos de músicas, textos e fotos do cantor, que morreu aos 42 anos de idade e foi o único integrante da Charlie Brown Jr. que permaneceu na banda desde seu início, na década de 90, até os dias atuais.

Durante anos, era a voz de Chorão que anunciava o início da novela “Malhação” ao cantar “tive pensando em me mudar, sem te deixar pra traz, yeah (...)”. Ele esteve presente em algumas edições do Festival de Verão, escreveu o roteiro do filme “O Magnata” (2007). Lançou nove discos de estúdio, dois álbuns ao vivo, duas coletâneas e ganhou dois Gramys Latinos.

Ele também foi um grande incentivador do seu esporte preferido: andar de skate. Chorão administrou marcas de skate, viabilizou a realização de grandes eventos de skate no Brasil e criou o Chorão Skate Park, na cidade de Santos.

O cantor, que passou por várias dificuldades, como a separação dos pais, na infância, e a separação da sua esposa, há seis meses, apresentava quadros de depressão e agressividade, com participação em polêmicas e envolvimento com drogas.

Ele foi um ser humano, como qualquer outro, cheio de fraquezas e algumas virtudes. Nem herói, nem vilão. Mas, independente da causa da sua morte ou de qualquer outro ponto negativo da sua vida, é inegável o fato de que ele fez parte da vida de muita gente através das suas canções.

Recentemente a música “Céu Azul” ficou entre os maiores sucessos do ano passado. Já a música “Proibida Pra Mim” chegou a ser regravada numa versão acústica por Zeca Balero. Sem falar na fase mais light do cantor, quando ele escreveu canções como “Ela Vai Voltar” e “Só Os Loucos Sabem”. Além daquelas que inspiraram jovens por todo o Brasil como “Dias de Luta, Dias de Glória”.

Não importa se ele é considerado herói, se é considerado vilão, se todos os compartilhamentos nas redes sociais foram feitos por fãs ou posers, se ele merecia mais homenagens do que o presidente venezuelano ou não. O que importa é que Chorão deu sua contribuição ao rock nacional e que suas músicas continuarão presentes nos corações e playlists de muita gente. E como publicou uma usuária do Facebook: “Hoje os chorões somos nós, e o céu azul é todo dele”.

*Uma Playlist Para Um Chorão: clique aqui se você quer conhecer algumas das músicas citadas na postagem ou apenas matar a saudade.


2 comentários:

Bruna Laranjeira disse...

Verdade incontestável Lore, perdemos um artista incrivelmente criativo que transformou ou ao menos trouxe a reflexão para a vida de muita gente.

Teffnews disse...

Ótimo o seu Blog Lorena, Parabéns!!
O Charlie Brown Jr fez e vai continuar fazendo parte da minha vida até o fim dos meus dias.
Eu tenho orgulho de dizer que eu vivi essa época boa da musica.
Pra mim não existe banda que consega imitar o CBJr... Muitas bandas quando escutadas na radia poderia ser comparadas com outras , mas o CBjr não se encaixaria nesse contexto, ele era único e incomparável. Imunidade Musical ,Para sempre CHARLIE BROWN!!!